VOLTAR
26/04/2013
Por onde andam as capas da JM
A+    A-


Ao longo destes dez anos de JM Magazine, às vésperas do lançamento de cada edição, a curiosidade gira em torno do rosto que estampará a capa da revista. Não só a beleza física, mas as características comportamentais e pessoais no cotidiano determinam a difícil escolha dos especialistas em moda, jornalismo e design do Grupo JM de Comunicação. Nesta edição de aniversário, vamos relembrar as capas da JM e conferir o quanto a visibilidade nesta revista genuinamente uberabense mudou a vida de muitas delas.

Por Indiara Ferreira

 

 

Elas fazem a moda

O universo apaixonante da moda há muito seduz o mundo. A francesa Gabrielle Bonheur Chanel, mais conhecida como Coco Chanel, foi uma importante mulher em defesa do estilo. Suas criações influenciaram a moda mundial e fizeram sonhar. Por aqui, este sonho de criar looks inovadores e ousados embalou e embala o ritmo de vida de três personalidades que ganharam as capas da JM Magazine.

 

 

 

Mayla Dornfeld

 

Na edição 38 da revista, em agosto de 2012, Mayla Dornfeld já cuidava, em Uberaba, do seu próprio ateliê, o M.D. Quando convidada para estampar a capa, Mayla confeccionou os dois vestidos por ela usados nas fotos. E arrasou! “Adorei a ideia e tentei fazer algo com a cara da edição da revista e que também fosse a cara da minha marca. Acho que consegui. Fiquei muito satisfeita com o resultado!”. Todos gostaram de ver o talento da garota da capa, que defende sua marca sempre com uma coleção pronta ou com a perspectiva da confecção de vestidos de festa sob encomenda. “Para mim, foi muito gratificante ser capa da JM Magazine, uma revista conceituada, onde pude mostrar um pouco de mim e do meu trabalho”.

 

 

Luiza Barbosa

 

A história de Luiza Barbosa com a JM Magazine é antiga. A atual empresária, proprietária da loja L.O.B Lingerie & Beachwear, já havia sido personagem da JM Magazine quando foi convidada para a capa. Seu talento e jeito amável estamparam matéria de maio de 2005, quando Luiza tinha apenas 17 anos e retornava de intercâmbio na Austrália. Parece coisa do destino, mas, na época, o seu atual namorado, Júnior Detoni, também concedeu entrevista para a mesma editoria da revista. Na edição 39, em que foi capa, em outubro de 2012, a estilista ousou não só no modelito usado. A inovação ficou por conta da Maria, a sua Yorkshire querida e companheira. “Qualquer momento ao lado dela é uma alegria pra mim!”. Maria virou estrela de verdade com seus laços da grife francesa Louis Vuitton, chamando a atenção dos leitores da JM. E Luiza consolidou ainda mais o seu sucesso à frente da L.O.B Lingerie & Beachwear. “A JM colaborou muito para a divulgação da minha loja, o que significa muito para minha realização pessoal”.

 

 

 

 

Mônica Hial

 

Parceira da JM Magazine desde a primeira edição, em maio de 2003, a empreendedora Mônica Hial, proprietária do Outlet Empório Abreu, mostra capacidade de se reinventar, assim como a revista. Na edição de lançamento da JM, ela projetou toda produção do desfile, no Spasso Buffet, que antecedeu o show das Frenéticas. Mônica sempre defendeu a presença das grifes mais importantes do universo da moda internacional no mercado de Uberaba e mostrou, de novo, sua personalidade marcante quando convidada para ser capa na edição nº 3, em setembro de 2003, junto com as empresárias Cíntia Fontoura, Lúcia Rocha, Beatriz Rodrigues da Cunha e Renata Penna.  Na edição 34, de julho de 2011, Mônica assumiu uma parceira com a revista por um motivo especial. Incentivou a filha Valentina a aceitar o convite para ser capa da JM. Valentina comemorava seus 15 anos e já tinha o próprio conceito da felicidade. “Ser feliz é tudo, diz a oração de São Francisco!”

 

 

Parceira da JM

 

Como fonte das reportagens ou oferecendo suas peças brilhantes para contextualizar as produções da capa da JM Magazine, Renata e Carlos Alberto, da Joalheira Cardoso, sempre surpreendem. Parceiros de toda hora, eles emprestam sua disponibilidade para consolidar a revista e os seus negócios. Carlos conta que o primeiro impulso para investir na JM Magazine foi a análise da qualidade gráfica, do conteúdo e da penetração no público formador de opinião de Uberaba. “Sentimos a necessidade de continuar investindo em uma publicidade que tem retorno garantido”.

 

A recordista de vendas

Bárbara Maia

“Mudei de cidade, iniciei a faculdade de Direito e passei a viver na correria paulistana.
Fazer a capa da JM foi um prazer enorme, pois gosto muito da revista e sempre acompanhei e continuo acompanhando a revista, mesmo à distância. A quantidade de vendas foi algo que me fez sentir extremamente prestigiada e lisonjeada. A capa realmente ficou muito bonita, graças ao trabalho dos profissionais maravilhosos envolvidos na revista e, é claro, ao dom do Ramon na hora de fotografar. Tudo isso somado à alta qualidade do conteúdo da JM Magazine, que vai muito além da capa”.

Bárbara Maia foi capa da JM Magazine 25, em abril de 2009. Atualmente, cursa o 4º ano de Direito, na Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo, e faz estágio em um dos maiores escritórios de advocacia do Brasil

 

 

 

As médicas

Atualmente, elas se vestem de branco todos os dias para dar vida aos desejos e ao bem-estar das pessoas, mas num passado não muito distante coloriram as páginas da JM Magazine com sua graça e beleza. As médicas contam como se realizaram ao longo destes anos após a aparição na capa e falam da alegria de participar da revista.

“Estou no último ano de residência médica em Cirurgia Plástica pela UFTM, em Uberaba. Me encontro ainda mais realizada na Medicina, completando cinco anos de formada e na especialidade que escolhi. A JM representa uma referência em comportamento e atitude.”

Luciana Colombo foi capa da JM Magazine na edição 19, publicada em outubro de 2007, quando era adepta do Carpe Dien: aproveitar a vida e os momentos e viver um dia de cada vez.

“Fiquei muito feliz quando fui convidada para ser a capa da JM Magazine, uma revista moderna e com muita credibilidade. Guardo essa revista com muito carinho. É uma lembrança eterna. Hoje, sou médica e pretendo me especializar em cardiologia.

Marina Derenusson ganhou a capa da JM Magazine na edição 26, publicada em julho de 2009. Na época ela era estudante de Medicina e  já afirmava que se dedicaria à solidariedade aos pacientes carentes.

“Sou médica dermatologista, em Uberaba, continuo me atualizando sempre em congressos. Sair na capa da JM foi um presente, pois é a revista que representa a cidade. Fiquei muito feliz!

Vanessa Lenza estampou a capa da JM Magazine na edição nº 13, publicada em março de 2006.  Na época  tinha 27 anos e dizia que seu sonho é ser mãe e constituir família.

 

As irmãs na JM

Há no Brasil um provérbio popular interessante para definir as semelhanças físicas que há entre as pessoas. “Cara de um, focinho do outro” é a expressão fiel de que os traços genéticos são a marca dos laços de sangue. Os mais requintados optam pela tradução de Milton Nascimento: “Faz do amor sua imagem, irmão”, na letra da música “Irmãos coragem”, que virou trilha de novela. Para a JM Magazine, a irmandade representou um presente. Em capas diferentes, elas mostraram o resultado do DNA privilegiado.

 

 

Bárbara e Victória Castro Cunha

 

Bárbara atualmente mora em São Paulo e cursa Arquitetura, na Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP).  Na edição em que foi capa, na JM Magazine de número 15, lançada em julho de 2006, tinha 15 anos.

O que mudou:  viajei bastante, fiz vários cursos, novos amigos, me mudei para São Paulo, aprendi a morar sozinha e a ter responsabilidades que antes não tinha.

O que aprendeu: De lá pra cá, também aprendi que existe apenas uma idade para sermos felizes, apenas uma época na vida de cada pessoa em que é possível sonhar, fazer planos e ter energia suficiente para os sonhos; realizar, apesar de todas as dificuldades e todos os obstáculos. Uma só idade para nos encantarmos com a vida, para vivermos apaixonadamente e aproveitarmos tudo com toda a intensidade, sem medo, nem culpa de sentir prazer. Que podemos criar e recriar a vida à nossa própria imagem e semelhança, vestir todas as cores, experimentar todos os sabores e entregarmo-nos a todos os amores. Tempo de entusiasmo e coragem em que toda a disposição de tentar algo de novo e de novo quantas vezes for preciso. Essa idade tão fugaz na nossa vida chama-se presente e tem a duração do instante que passa.

 

 

 

 Victória acabou de voltar da Suíça, onde estava estudando na escola Brillantmont, em Lausanne. Na edição em que foi capa, na JM Magazine de número 33, lançada em maio de 2011, ela se preparava para o vestibular de Administração de Empresas.

O que mudou: Aprendi a priorizar as pessoas e situações na minha vida. Aprendi a dar valor a quem amo e, claro, amadureci bastante.

O que aprendeu: Tive novas experiências, conheci pessoas novas, aprendi uma nova língua, o francês, e percebi o quanto amo a minha vida no Brasil.

Como foi ser capa da JM: Foi uma experiência muito divertida. Adorei ter participado. Gostei bastante do resultado. A equipe da revista, como sempre, foi muito gentil.

 

 

 

 

 

 

 

 

Juliana Mendes foi capa junto com a Bárbara

 

As debutantes do ano. Assim eram chamadas Juliana e Bárbara. Seus aniversários de 15 anos entraram para a história das boas festas da cidade pelo requinte nos detalhes. Juliana Mendes atualmente estuda Administração de Empresas, com formação em Comércio Internacional, no Mackenzie, em São Paulo.

Como foi ser capa com a Bárbara: Foi muito divertido. Sempre fomos muito amigas, desde pequenas. Foi muito bom poder compartilhar um momento especial com uma pessoa especial.

O que mudou: Hoje, aos 21, posso dizer que sou uma pessoa mais madura. Muita coisa aconteceu nesse intervalo, perdi coisas importantes e insubstituíveis em minha vida e ganhei outras. Com as perdas, aprendi a ver a vida de maneira diferente e a aproveitar todas as oportunidades que ela me proporciona.

  

 

Marcela e Letícia Prata

 

Marcela foi capa da JM Magazine, na edição na edição nº 5, em junho de 2004, quando a revista ainda estava engatinhando. Atualmente, mora em Uberaba e cuida dos preparativos para o seu casamento. Seu bom gosto e seu jeito espontâneo de encarar a vida já subsidiaram variadas reportagens publicadas pela revista. Na edição de outubro de 2009, na reportagem A mulher do século XXI, ela defendeu que a beleza é um atributo secundário da mulher.

O que mudou: Depois de quase 10 anos em que fui capa da JM, muitas coisas mudaram na minha vida. Obviamente, passei de menina a mulher. Hoje, com 32 anos, vou me casar em junho deste ano e morar em Ribeirão Preto, para onde levarei a minha grife, a Consolata.

Como foi ser capa: Na época em que fui capa, a revista estava em suas primeiras edições e eu fui a primeira menina a ser convidada pela equipe da JM, o que me deixou muito lisonjeada e, ao mesmo tempo, um pouco ansiosa quanto à repercussão da capa. Mas, graças a Deus, só pude ouvir coisas boas.

 

Quando Letícia foi capa da JM Magazine, na edição nº 24, de dezembro de 2008,  cursava o 3º ano de Arquitetura na Uniube. Depois mudou-se de cidade e automaticamente de vida, mas não perdeu o carinho pelo que viveu.

O que mudou: Assim que me formei como Arquiteta Urbanista, há dois anos, vim morar em Ribeirão Preto para fazer pós-graduação em Design de Interiores e trabalhar em um escritório especializado em projetos arquitetônicos de residências, edifícios residenciais e comerciais, o mesmo em que trabalho até hoje e que me fez crescer muito profissional e pessoalmente. 

Como foi ser capa: Como minha irmã já havia sido capa da revista alguns anos antes, o convite só fez comprovar o carinho que toda a equipe da JM tem por nossa família, o mesmo que também temos por todos eles.

 

 

 

 

As modelos

 

Mais do que uma vitrine, para as uberabenses que sempre buscaram projeção por meio dos clicks e das passarelas, a JM Magazine foi um passaporte para o reconhecimento de seus trabalhos na cidade e no país.  Muitos tantos convites surgiram para consolidar a vida dessas belas mulheres que têm o talento como aliado forte. A maioria já havia experimentado a fama ao redor do mundo, mas o reconhecimento na terrinha teve significado especial.

 

 

 

Cíntia Rosa

Quando recebeu o convite para estampar a JM de número 14, em junho de 2006, cujo tema era a Copa do Mundo, a modelo Cíntia Rosa já consolidava a sua carreira. Naquela edição, uma capa com três uberabenses. Além de Cíntia, a então modelo Patrícia Lírio e a apresentadora de TV Ana Beatriz Fernandez. Cíntia começou aos 16 anos. Aos 19, já viajava pelo mundo e trabalhava para as principais grifes de moda. Morou no Japão, na Índia, na França, no Chile, no México e em várias cidades da China. Segundo Cíntia, depois da capa, apareceram muitos outros trabalhos. “Eu adorei! Faria tudo de novo!”, garante a modelo, que sonha em constituir família. Mais madura, em função das temporadas sozinhas ao redor do mundo, ela não esconde o orgulho de ser lembrada na terra onde nasceu. “É sempre bom ser reconhecido na sua cidade e eu adorei a equipe. Foram todos muito profissionais”.

 

 

 

 

Patrícia Lírio

 

Companheira de Cíntia na edição nº 14, atualmente Patrícia Lírio é pós-graduada, sonha com o mestrado, com a aprovação na área judiciária enquanto trabalha no Instituto Federal do Triângulo Mineiro, em Uberaba. Com tantos projetos, não modela mais: falta-lhe tempo. A linda mulata se reconhece como a única negra a sair na capa da JM. “A JM significou a realização de um sonho que muitas garotas possuem, aliás, só tenho a agradecer a revista e ao jornal, pois quando modelava sempre estive ilustrando as matérias de ambos. Ressalto ainda o fato ter sido um das poucas negras da cidade a ter espaço nos veículos de comunicação”. Patrícia afirma que a capa da revista trouxe mais visibilidade para o trabalho como modelo na época. “Mesmo quem não me conhecia pessoalmente comentava: ‘ah você saiu na da JM, na edição da Copa, não é? Esse reconhecimento é muito bacana”.

 

 

Mariane Faina

 

Dona de uma simpatia de dar inveja, a estudante de Direito Mariane Faina mora com os pais em Uberaba. Antes da JM Magazine de número 40, publicada em dezembro de 2012, ela não tinha o trabalho de modelo reconhecido aqui. Afinal, o seu foco sempre foi a carreira internacional. O passaporte é carimbado e a bagagem cheia de experiências, em especial, da Alemanha, mas fazer sucesso na cidade e na região teve sabor especial para ela. “A partir dessa exposição, recebi vários convites de empresas da cidade e até da região e do interior de São Paulo para revistas e catálogos. Foi uma experiência maravilhosa ver o meu trabalho reconhecido na minha terra natal!”

 

 

 

 

 

Thiessa Sickert

 

Em maio de 2012, a JM Magazine estava em sua edição de número 37, quando o convite para posar para a capa da revista foi feito a Thiessa Sickert. De longe, o charme da morena esguia chamava a atenção, mas nem ela mesma sonhava com a possibilidade de estar no concurso de Miss Brasil. A vida de Thiessa teve um giro 360º depois da JM. “Logo que saí na capa, me viram e entraram em contato, me convidando para participar do Miss Uberaba. Hoje, sou a Miss Minas Gerais e conquistei o terceiro lugar no Miss Brasil. A JM foi o primeiro passo para começar toda essa fase maravilhosa por que estou passando em minha vida”. Tudo mudou com o Miss Brasil, surgiram muitos trabalhos e, atualmente, Thiessa está fazendo fotos e propagandas para lojas, desfiles, catálogos e participando de eventos ligados à moda e de concursos de beleza. “Minha rotina mudou, mas continuo morando em Uberaba, com os meus pais, pretendo terminar meu curso de Direito. O reconhecimento das pessoas é outro e toda a experiência adquirida neste período é o que importa”.

 

 

Junê

 

Junê - como é conhecida Julianne Pinto Rodrigues da Cunha - sempre modelou em Uberaba. Dona de uma expressão forte e um belo par de olhos claros, formou-se em Direito, mas nunca se desligou do meio rural. Na época da JM Magazine 22, em junho de 2008, já era mãe de Candé, hoje um jovem com 17 anos. A vida de Junê mudou - e muito - nestes quase cinco anos. “As responsabilidades da maturidade trouxeram novos projetos profissionais. Me casei com alguém super especial (Rodrigo Balardin). A família aumentou: enteados, sobrinhos... Mudei de casa, mas mantive as amizades fiéis. Sempre faltando tempo para fazer tudo que eu gostaria”. Na mesma edição participou da matéria Mulheres de 30. Junê adorou parar para pensar nessa nova fase da vida. “Foi muito legal refletir sobre o tempo que havia passado e o que eu teria que assumir dali em diante. Adorei poder dividir isso com as pessoas por meio da revista. Também fez muito bem para a minha autoestima, claro! Adorei o figurino, a locação e também fotografar com o Ramon. O melhor de tudo é guardar a revista para os netos...”


Barbra Calabrez

Parece até conto de fadas. Barbra Calabrez se destacou na edição nº 11, de setembro de 2005. Segundo ela, naquele tempo, era uma menina e, hoje, tornou-se uma mulher. Então modelo na cidade, viu de perto a vida se transformar, depois da aparição na revista, não só no quesito maturidade. “Minha vida depois da revista mudou por completo. Hoje sou empresária, completo oito anos de casada com o publicitário Gustavo Jangola, que me contratou para uma campanha publicitária logo após eu ter feito a capa da JM. Temos um filho chamado Henrique, de quatro anos, e moramos em Brasília”.

 

 

As vencedoras do concurso Garota da Capa

 

 

 Victória Weitzel

Para a edição de dezembro de 2010, de número 32, a equipe do Grupo JM ousou e promoveu o 1º Concurso Garota da Capa, com o objetivo de encontrar as belas de Uberaba que sonhavam em ganhar a página principal da revista. Foi um sucesso. Ao todo, 312 candidatas se inscreveram e um corpo de 20 jurados escolheu aquela que mais se destacou. Com seu “um metro de pernas”, como ela mesma se descreve, Victória Weitzel Martinez conquistou o 1º lugar. “Foi uma das minhas maiores conquistas até hoje! Isso me trouxe a segurança que antes eu não tinha. Se não fosse pelo incentivo da minha mãe, me inscrevendo no concurso, com a certeza de que eu iria dar o meu melhor, eu mesma não teria essa iniciativa”. Modelo desde os 12 anos de idade, Victória passou a ser convidada para vários castings, inclusive para representar Uberaba no Miss Terra Minas Gerais. Mas, para ela, o sentido foi mais do que simplesmente a visibilidade. “Sempre foi uma batalha muito grande para mim, porque nunca me adequei aos padrões rigorosos de medidas, os famosos, 90cm de quadril, 60cm cintura e 90cm seios. Sempre me via obrigada a entrar naqueles rígidos padrões de beleza, mas depois de ganhar o concurso da Garota da Capa me vi realizada. Foi muito especial”. Estudante do 5º período de Jornalismo, estagiária na Receita Federal, continua a modelar e acha tempo para se dedicar ao seu hobby predileto - o ballet, também ao Pilates, além das aulas de evangelização para crianças.

 

 

Samantha Zago

 

Para a edição de número 36, lançada em dezembro de 2011, o grupo JM realizou o 2º concurso garota da capa. Foram 300 inscrições de meninas de Uberaba e região. As 30 selecionadas passaram pelo crivo dos 18 jurados. Quesitos como beleza, simpatia e desenvoltura ao responder à pergunta “por que você quer ser capa da JM Magazine?” definiram a escolha. Samantha Zago, a moça que adora viajar, colecionar amigos, dona de muitos sonhos e da filosofia de respeitar o próximo foi a escolhida. Na época, Samantha já se aventurava nas passarelas e nos estúdios de Uberaba e região, mas a JM foi a porta para conquistar mais sucesso. Foi destaque da editoria Moda/Verão da Revista Capricho, edição do último mês de janeiro, e, no mês de fevereiro, conquistou a capa da Revista Glamour. Samantha atualmente integra o casting da Ford Models, em São Paulo.

 

   

JM Magazine 58

JÁ NAS BANCAS!





AMPLIAR CAPA
Social:
ENQUETE



EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
Publicidade: (34) 3331.7900 ou contato@jmmagazine.com.br
www.jmmagazine.com.br © 2017 · Todos os direitos reservados
AGÊNCIA DIGITAL